sexta-feira, 20 de julho de 2012

Ei.

Apagarei teu nome de minhas páginas.
Ignorarei o fato de te enxergar no reflexo de minha janela.
Tirarei nossas fotos do meu campo visual.
Mudarei de direção.

Criarei novas marcas para apagar as tuas.
Limparei o chão do corredor.
Colocarei um cadeado em meu baú.
Trancarei-te lá.

Quero soltar essa linha que nos conecta.
Ela está rompida e não aguento mais segurar.
Não tente esconder a tesoura.
Eu sempre saberei que foste tu quem cortou.

Apague meu nome da tua língua.
Fecha os olhos e não me veja.
Eu deveria saber que, cedo ou tarde,
eu teria que partir.