quinta-feira, 14 de abril de 2011

Nada de qualquer coisa.

Não sou qualquer uma. Não faço qualquer coisa.
Não me rendo à ameaças. Não me surpreendo com obviedades.
Não uso saia. Não ando sem os pés.
Não me guio por tendências. Não me iludo por besteiras.
Não falo o que não sei. Não conto o que não escutei.
Não finjo ter talento. Não tento ter sem conhecer.
Não quero o que não é meu. Não desejo o que é só teu.
Sou tudo do nada e nada do tudo.
Não te iludas com o que digo. Não espalhe o que não disse.

Não sou qualquer uma. O que faço ou fiz diz respeito somente a mim.
Não faço qualquer coisa. Ninguém é dono meu e nem eu dona de ninguém.
Não. E não insista.

sábado, 9 de abril de 2011

Saudade.

Não sinto saudade de todas as pessoas que ficaram no passado. Não sinto necessidade de conversar com elas. Não.
Algumas foram importantes, mas perderam seu brilho.Brilharam por tempo, até eu descobrir que elas não passavam de ouro de tolo.
Poucas foram as que brilharam e não se apagaram. Possuem uma luz própria, e cintilam mais que o mais puro ouro. São dessas que sinto e tenho falta.

Saudades de ti, caro amigo, que por pouco tempo esteve fisicamente junto comigo, mas que continua sempre por perto. Mais de 5 anos de amizade, apesar da distância.



quinta-feira, 7 de abril de 2011

A vida corre.

Estudos, estudos e estudos.
Felicidade sem fim?
O que mais me importa?
Eu sou feliz assim! ;D